É possível que o complemento de reforma seja efetuado também pela nossa entidade patronal?


A resposta é sim e a SGF vai-lhe explicar como!

É certo que sempre que se fala de reforma e poupança a primeira coisa que nos ocorre são os PPR – Planos Poupança Reforma, soluções de poupança que visam a criação de um complemento de reforma no âmbito pessoal e que possibilitam ao investidor constituir uma poupança de acordo com a sua capacidade financeira.


Mas e se for possível que o complemento de reforma seja efetuado também pela nossa entidade patronal?
Será possível que a responsabilidade de constituir um complemento de reforma para compensar a perda de rendimento que irá verificar-se na passagem à reforma, seja partilhada pelo colaborador e pela entidade patronal?


É neste campo que aparecem os Fundos de Pensões Abertos, instrumentos de poupança que permitem às pequenas e médias empresas constituírem os seus planos de pensões à sua imagem permitindo contribuições da entidade patronal e dos colaboradores com uma eficiência fiscal para ambas as partes.
No âmbito da entidade patronal, a opção por efetuar contribuições para os fundos de pensões, demonstra responsabilidade social e disponibiliza uma importante ferramenta de retenção dos seus colaboradores. Para além disso, permite ao mesmo tempo o acesso a uma eficiência fiscal ímpar uma vez que estas contribuições beneficiam de isenção da TSU e Fundo de compensações e, por serem um custo fiscal, reduzirem o IRC suportado pela empresa.


No que diz respeito aos colaboradores, as contribuições ficam isentas de IRS no ano da contribuição, sendo a respetiva tributação diferida para o momento do reembolso. A tributação das mais valias, quer das contribuições da empresa quer das contribuições dos próprios trabalhadores são tributadas em sede de IRS à taxa de 8%.


Os fundos de pensões são por si só um excelente veículo de poupança para a reforma, consubstanciando-se numa importante solução de gestão financeira e de recursos humanos e de responsabilidade social para as empresas, promovendo simultaneamente a eficiência fiscal da empresa ao mesmo tempo que garantem um futuro melhor para os seus colaboradores.